Pérolas no Mar: A emocionante descoberta do cinema chinês

Esta semana dei com um filme chinês no catalogo da Netflix. Desde há alguns anos que me tornei num consumidor da cultura asiática, particularmente da coreana, mas nunca tinha visto qualquer filme chinês. Decidi experimentar e ainda bem que o fiz.

O amor é um dos temas mais explorados no cinema (tal como na televisão). A maior parte são filmes fofinhos mas sem grande expressão artística mas também já nos deu algumas grandes obras. “Pérolas no Mar” (后来的我们 / Hou Lai de Wo Men), de nome internacional “Us and Them”é um filme romântico mas não é um filme romantizado. E começa a ganhar por ai.

Duas linhas temporais com tratamento de cores diferente, o passado retratado a cores e o presente pincelado a preto e branco. No passado, dois jovens que se conhecem numa viagem de comboio de regresso à terra natal vindo de Pequim e que se tornam amigos inseparáveis até a relação evoluir para o romance. No presente, os dois reencontram-se numa viagem de avião 10 anos após se terem separado e recordam o passado tentando descobrir o que deu errado na relação.

E o que deu errado? Será que terá dado algo errado ou simplesmente a vida aconteceu? Dois jovens partem em busca de um sonho na capital mas levam com o turbilhão que é a vida real. E num dia dão-se conta que, que apesar da luta constante ao longo dos anos, nunca conseguiram realizar nenhum dos seus sonhos e continuam a viver num minúsculo quarto alugado.

Se a forma como geriram expectativas teve influência no termino da relação, o impacto que um teve no outro e a forma como se moldaram levando a que ambos reajustassem essas expectativas também teve peso enorme. Se inicialmente Xiao Xiao era mais materialista e Jian-qing um romântico sonhador que ambicionava ser criador de jogos de vídeo, com o tempo o rapaz se torna mais materialista de forma a satisfazer as necessidades e ambições da namorada, enquanto a rapariga vai-se tornando menos ambiciosa e apreciando mais o “aqui e agora”. Fica na retina as ultimas palavras que trocaram antes da separação:

No presente, já com Jian-qing casado e com filhos, ambos revisitam o passado e a nostalgia pelos momentos juntos e amargura pela relação mal resolvida são evidentes. Não deixa de ser curioso que no final ambos conseguem realizar os principais objetivos que os levou a Pequim, menos aquilo que lhes era mais valioso.

Não pude deixar de recordar outras obras do género enquanto assistia este filme. A paleta monocromática acompanhada pela nostalgia de de uma relação passada mas cujos sentimentos ainda se mantém (vista em “Blue Jay”), o evoluir da relação ao longo dos anos e a caracterização do avanço temporal bem conseguida como em “One Day” e “Tune In For Love” (lançado posteriormente) e até ao facto da ação se desenrolar ao longo dos anos num dia fixo como “One Day”, neste caso a véspera do final do ano chinês. Contudo, aquilo que separa “Pérolas no Mar” dos outros filmes é muito maior do que os aproxima. Estamos perante uma obra muito diferente.

Ainda sobre ao facto de o presente ser retratado a preto e branco. Além de facilitar ao expectador a identificação das diferentes linhas temporais, serve como metáfora para o primeiro jogo que Jian-qing cria. Um jogo que um rapaz chamado Ian parte à procura de uma rapariga chamada Kelly. Durante a concepção do jogo, Jian-qing refere que se Ian não encontra-se Kelly o mundo perderia a cor. Uma analogia à relação dos dois protagonistas.

Tecnicamente, “Pérolas no Mar” é um filme muito bem feito, com uma produção cuidada e delicada, uma trilha sonora perfeita para a história e uma cinematografia impressionante. Um filme poético que com poucos personagens consegue criar empatia e nos faz pensar em nossas escolhas e o peso que elas tiveram no desenrolar da nossa vida. Um filme romântico que não esquece o papel da família. Ou não fosse uma carta de Jian-qing ao falecido pai, já nos créditos finais, uma das cenas mais emocionantes do filme.

Subscreva
Notificação de
guest
0 Comentários
Feedback inline
Ver todos os comentários
0
Adoraria saber a sua opinião, por favor, comente. x
()
x