Flash Reviews: O que ando a ouvir em Junho de 2021

Iberia – Much Higher Than Hope

Trata-se de um disco com 5 anos mas que tenho ouvido com maior incidência recentemente. É o disco de estreia de Hugo Soares como vocalista da mítica banda portuguesa. Um voz que representa um claro upgrade em relação aos seus antecessores.

A música também mudou. Agora um Hard’n’Heavy moderno e mais musculado. “Much Higher Than Hope” é um disco recheado de um leque de fantásticos temas, alguns mais orelhudos do que outros. Dentro delas destaco “The End of Days”, “How I Miss You” e “Rising Inferno”.

Com mais de 30 anos de existência, os Ibéria demonstram que estão para as curvas e o seu disco nada deve ao que de melhor se faz dentro do género por esse mundo fora.

Ethereal – Towers of Isolation

Uma review a um álbum com mais de 15 anos? Porque não? Porque os Ethereal estão de volta e porque “Towers of Isolation” É um dos melhores álbuns que o underground nacional já nos deu. Metal progressivo com um toque sinfónico (mais do que o gótico que lhes é associado). Podíamos comparar com os Therion, Opeth e Katatonia mas basta ouvir um pouco de Ethereal para depressa percebermos que o seu som tinha (tem) uma sonoridade distinta.

Composições arriscadas e inteligentes, vozes (fantástico registo de Hugo Soares) que emprestam profundidade dramática a uma linha que alia peso com melodia. Lançado três após o álbum de estreia, “Towers of Isolation” parecia levar a banda para outro patamar mas infelizmente esta entrou em implosão. O seu regresso é uma excelente notícia.

Soundscapism Inc. – Afterglow of Ashes

Sou um confesso admirador dos trabalhos de Bruno A. desde os magníficos Vertigo Steps, passando pelos Architects Of Rain até a Soundscapism Inc..

Este último projecto (não o mais recente) conta com um álbum recentemente lançado e denominado por “Afterglow of Ashes” onde Bruno volta a demonstrar que é mestre em tecer belíssimos tecidos musicais. Detentora de uma melancolia inquestionável, a música de Soundscapism Inc. impressiona pela cinematografia, ambiência e texturas musicais riquíssimas.

Já disse no passado e reafirmo, Bruno A. tem o dom de fazer composições e arranjos requintados e complexos parecerem simples. E faz isso sem amarras a estilos e géneros.

Quanto a “Afterglow of Ashes”, é o mais equilibrado e maduro dos registos lançados até à data.

Bruno faz da música o seu meio de escape preferido e nós devemos estar gratos por isso.

Subscreva
Notificação de
guest
2 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Feedback inline
Ver todos os comentários
ElectroescadaS

Tenho de ouvir…

2
0
Adoraria saber a sua opinião, por favor, comente. x
()
x